sexta-feira, 4 de outubro de 2019

Crónica de Paixões & Caprichos - Julia Quinn



Título| Crónicas de Paixões & Carichos
Série| Os Bridgerton
Autor| Julia Quinn
Editor| Edições Asa
Páginas| 368

Romance de época não é, de todo, um estilo que me atraia, mas desde sempre que tive curiosidade em ler algo da Júlia Quinn, uma autora muito enaltecida no que diz respeito a este género literário. Eis que sai a notícia de que a série "Os Bridgerton" vai ser adaptada para série pela netflix e a minha curiosidade só aumentou. Como se não bastasse, comecei a ver o instagram ser bombardeado com memes e cenas dos livros, muitos deles hilariantes que só me deram ainda mais vontade de ler... e, por isso, lá fui eu...

Aqui temos a história de Daphne Bridgerton (na medida em que cada livro acompanha um dos irmãos) e Simon Basset. Daphne é atormentada pela mãe e pela sociedade para arranjar um noivo, mas a jovem pretende casar por amor... Já Simon, um atraente duque solteiro, está de volta a Inglaterra e não sabe o que o espera por parte das mães casamenteiras e da suas filhas. Após se conhecerem num baile, surge a ideia de forjarem um noivado, para que Daphne passe a ser cobiçada e Simon pare de ser atormentado. 

A história é cliché? É básica? É previsível? É sim senhora, mas percebi o dom da autora. Mais do que escrever histórias, Julia Quinn tem o dom de criar personagens incríveis. Sabem aquele grupo de amigos que vocês têm, que passam horas a conversar sobre tudo e nada, por vezes coisas sem importância, mas poderiam ficar ali a noite toda a ouvir? É assim a família Bridgerton. São divertidos, carismáticos, adoráveis, boas pessoas, uma família unida... e o que falar do humor? Todos têm um humor negro e sarcástico simplesmente apaixonante.

Comecemos pela mãe desta família, a Violet Bridgerton. Pela sinopse esperava aquele tipo de mãe chata, que só quer que os filhos arranjem bons partidos e que, por vezes, são até cruéis... mas nada disso. Que mulher inteligente, amável, perspicaz e força da natureza. Ri tanto em muitas cenas com ela que nem sei! Passando logo para os irmãos de Daphne, principalmente Anthony, Benedict e Colin, meus amigos, quero estes aqui como irmãos mais velhos ou primos hahahaha mas que personagens. Já me vejo ansiosa pelos próximos livros para conhecer as histórias deles.

Chegando agora aos nossos protagonistas, Daphne é uma jovem muito inteligente e "avançada" para a sua época. Alegrou-me não encontrar aquela típica personagem que também é contra tudo e revolucionária, que não quer casar ou que chega a ser mal educada... não não... Daphne quer casar, quer tudo a que tem direito, mas não tem medo de falar o que pensa e tem um gancho de direita bem forte hahaha Afinal com tantos irmãos mais velhos, uma pessoa tem de aprender alguma coisa não é?

Achei o amor que ela nutria pelo Simon muito repentino, mas acreditei sabem? Afinal é uma jovem sonhadora. E o que dizer do nosso querido duque? Conforme ia lendo não sabia muito bem o que achar dele. Sabemos que Simon teve uma infância difícil, o que o levou a tornar-se um libertino, mas percebemos que ali há algo mais e eu adorava as conversas/discussões entre ele e a Daphne. É claro que acabei por torcer por eles e muito e achei a história muito fofa.

Como já mencionei, não esperem algo completamente diferente do que leram até agora, mas o bom aqui são os personagens e os diálogos. Quero ler a série inteira e estou muito curiosa com a adaptação.

Ai família Bridgerton ❤
               Facebook Instagram | Twitter | Skoob | Goodreads | Tumblr | 

quinta-feira, 3 de outubro de 2019

Daugther of Smoke and Bones - Laini Taylor


Não queria despedir-me desta história, mas tenho de o fazer. Li os três livros em menos de uma semana e é-me impossível largar estes personagens e esta história. Para ser sincera... terminei o último livro há mais ao menos 5 minutos e senti que tinha que escrever, no entanto, não me é possível fazer uma resenha correta e linear, pois tudo o que tenho dentro de mim são sentimentos conturbados.

Começo por salientar que é triste que cá em portugal esta história não tenha o devido reconhecimento, talvez devido à tradução dos títulos, o que faz com que muita gente não saiba que se trata da aclamada trilogia "Daugther of Smoke and Bones (Feita de Fumaça e Osso, no  Brasil), mas, no que depender de mim, mais pessoas terão conhecimento dela.

Laini Taylor criou um mundo incrível, bem estruturado, que embora se trate de fantasia revela tanto sobre o mundo em que hoje vivemos: opressão às minorias e ao que é diferente, preconceito ao desconhecido, futilidades baseadas em aspeto físico... As personagens são todas bem desenvolvidas e com personalidades muito fortes. São seres que acreditamos que, talvez, numa realidade paralela, ou, tal como é referido, noutras camadas do universo, sejam reais.

Comecei esta trilogia sem expectatitvas e confesso que não me prendeu de logo início. Eu, que preciso sempre de um pouquinho de romance para me ver presa à história, achei que se tratava de um instalove, que me fez torcer o nariz, mas que se mostrou ser muito mais que isso. Akiva e Karou são duas almas gémeas, no verdadeiro sentido da expressão e não me refiro a algo feito ou construído, mas algo que se nota, que se percebe e que se vê desabrochar. 

Adorei as quimeras e sem dúvida que as minhas favoritas foram o Ziri e a Issa. O que o meu coração sofreu pelo Ziri, mas ainda bem que teve um final digno e feliz e não posso dizer que não torci por aquele romance. No que diz respeito aos anjos, claro que a Liraz é uma força da natureza, o verdadeiro significado de girl power, mas, por vezes, tão vazia que só dava vontade de abraçar e mostrar-lhe o que o mundo era mais que guerra e morte e como podia ser a felicidade. Mas todo o meu amor vai para a Zuzana, neck-neck lindo da minha vida, bailarina de metro e meia que mostra que a força está totalmente na personalidade. O que eu me ri com ela e com o Mik. Para mim são o grande casal desta história e se já não tivesse um amor como eles (momento para "ooowwwnnn") era agora que o desejaria.

O final deste enredo ficou um pouco confuso para mim e, se pudesse escolher, não colocaria tanto sofrimento para os nossos protagonistas, porque para mim é um meio final feliz, mas percebo as decisões da autora e tudo o que foi decidido só engrandeceu a narrativa. Finalmente posso dizer que li um bom livro com anjos e que na verdade se tornou um favorito. Recomendo mais que tudo e, caso já tenham lido, por favor falem comigo.

"Alguns e depois mais" ❤
               Facebook Instagram | Twitter | Skoob | Goodreads | Tumblr | 

segunda-feira, 30 de setembro de 2019

Lá, Onde o Vento Chora - Delia Owens



Título| Lá, Onde o Vento Chora
Autor| Delia Owens
Editor| Porto Editora
Páginas| 392

Não sei nem por onde começar... Um livro que deu que falar desde que saiu, mas que me deixou sempre de pé atrás. Faz tempo que não lia um livro deste género, visto que vivo apaixonada pelas distopias e fantasias, mas faltava esta leitura na minha vida e eu nem sabia.

Aqui temos a história da Kya, uma menina de 6 anos que vê todos os elementos da família a abandoná-la até dar por si totalmente só. Assim, ela aprende, tão nova, a ser autossuficiente e independente e vive sozinha no pantanal. Isolada, fugidia e solitária, Kya torna-se um alvo para a cidade, que acham diferente e esquisita. Eis que Case Andrews, cidadão charmoso e popular, aparece morto e tudo aponta para Kya, a miúda do pantanal.

Lembro-me de nalguma resenha alguém ter dito que este livro era "prosa poética" e não vejo melhor forma de descrevê-lo. Eu, que não costumo ter paciência para descrições, vi-me completamente rendida e apaixonada pela escrita. Cada frase transmite profundidade e faz-nos querer viver com a natureza.

Kya é uma personagem incrivelmente complexa e bem escrita. Acompanhamos toda a sua história, desde os 6 anos em que se vê sozinha no mundo, até aos seus 25 anos, uma mulher incrível, acusada de homicídio. Vivemos com ela e as suas descobertas sobre o amor, sobre a sociedade, sobre a natureza, sobre o que é ser mulher... sobre a vida!

Delia Owens soube transmitir com palavras o amor pela natureza, a solidão e o isolamento, o poder da desconfiança, o medo pelo desconhecido, a força para sobreviver... Esperava um romance e ganhei uma lição de vida, com policial e mistério à mistura. Não sei muito mais o que dizer, mas procurem mais resenhas porque vi cada uma melhor que a outra, de pessoas que conseguem exprimir-se melhor que eu. Mas o importante é que leiam.

 Vive ❤
               Facebook Instagram | Twitter | Skoob | Goodreads | Tumblr |