sábado, 18 de maio de 2019

Série Criaturas Maravilhosas - Kami Garcia e Margaret Stohl

Hoje, depois de alguns anos desde que li o primeiro livro, terminei a série Criaturas Maravilhosas (conhecida no Brasil como "Dezasseis Luas") de Kami Garcia e Margaret Stohl. Este post vai ser uma "resenha" da série inteira, por isso cuidado com os possíveis spoilers, mesmo que eu não pretenda entregar muito da história, pode sempre fugir um pormenor ou outro...

Nestes livros acompanha-mos o Ethan, um rapaz normal, que vive em Gatlin, uma cidade pequena e antiquada do Sul dos Estados Unidos. No primeiro livro, ele é atormentado por sonhos, onde vê uma rapariga que ele nunca viu na vida, até que ela começa a frequentar a mesma escola. Ela é a Lena Duchannes, uma adolescente que luta para esconder os seus poderes e que teme a maldição que assombra a sua família. Com 16 anos, Lena será chamada para o bem (Encantadores da Luz) ou para o mal (Encantadores das Trevas), sem qualquer poder de escolha. A partir daí, em cada livro surgem novos problemas para resolver, mas confesso que vai rodando muito à volta do mesmo.

A primeira vez que eu li o primeiro livro - Criaturas Maravilhosas (resenha) - eu não gostei assim tanto, mas decidi ler a continuação. Acabei por gostar imenso do segundo - Trevas Maravilhosas (resenha) - e passado algum tempo decidi reler ambos. Após comprar o terceiro livro - Caos Maravilhoso - reli novamente para poder ler este. E agora, por fim, antes de ler Redenção Maravilhosa eu reli o terceiro, porque já não lembrava de algumas coisas. Como podem perceber, isto foi um ler e reler e a série acompanhou-me durante algum tempo.

Vou dizer que é uma série maravilhosa? Não! Quem está habituado a bons livros de fantasia e sobrenatural, talvez não vá gostar muito e vá encontrar vários defeitos, no entanto, para mim é bom, por toda a situação, os  anos em que me acompanhou e os momento que me marcaram! O mesmo que a série Twilight... Se eu lesse agora acharia bom? Talvez nem tanto assim... Mas fez muito sentido na altura em que li e é uma das minhas séries favoritas da vida.

Também tenho alguns vários problemas!! Aqui parece que ninguém morre... tudo o que morre volta... e quando alguém que eu gostava morria e eu pensava "sim, tá... vai voltar!", essa pessoa é das que fica mesmo morta. Neste último livro, mesmo no final, morre a minha personagem favorita (que não vou dizer qual é né?) e foi o único momento que eu chorei com esta série e que acabei por me irritar com as autoras.

Depois temos um outro grave problema... A adaptação cinematográfica! Corram... mas para bem longe! O que são aqueles atores?! A história foi alterada em 200%, sendo que cagaram tanto com o final (completamente diferente) que nem puderam fazer uma continuação (não é que valesse a pena...). O meu Ethan Wate (protagonista) ficou completamente arruinado após vê-lo na pele de Alden Ehrenreich (com todo o respeito pelo ator, mas... decididamente não).
Se realmente não têm vontade nenhuma de ler esta série, até podem dar uma oportunidade ao filme mas, não querendo ser má, nem nesse caso eu o aconselharia! Mas vão por vossa conta e risco hahaha
O que me fez continuar esta série foi a teimosia, porque agora queria saber como terminava, e os personagens! Acabei por me afeiçoar a vários deles principalmente ao Link, ao Tio Mason e à Ridley. Por conta disso, ainda estou a pensar se dou oportunidade ao spin-off, que foca mais no Link e na Ridley... Se vocês já leram digam-me se acham que vale a pena ok?

Basicamente é isto! Têm as resenhas dos dois primeiros livros em mais detalhe, caso queiram saber mais um pouco sobre a história, e caso tenham lido esta série quero que venham conversar comigo. Qual é o vosso personagem favorito? Choraram? Tinham teorias?

Venham conversar
Beijinhos

segunda-feira, 13 de maio de 2019

[Conversas Literárias] - Game of Thrones (S08E05)

Oi meus anjos!
Hoje o post é só para quem viu o último episódio de Game of Thrones, tá? Não só porque tem spoilers, mas porque eu vou desabafar e mencionar as cenas de que não gostei, sem as descrever, ou seja, se não viram, é provável que não entendam ao que me refiro.


Sem grandes delongas, vamos começar pela nossa Rainha dos Dragões. Imensa gente está chateada com o que "fizeram com a personagem". Dizem que não faz sentido ela revelar-se doida e tirana, apenas num único episódio. Então... vem cá meu amor, senta aqui, vamos conversar... Vocês têm visto a mesma série que eu?! A Daenerys sempre foi assim, nós só não ligávamos porque ela queimava gente com a qual nós não nos importávamos. Ela queimou as mulheres viúvas Dothraki, ela foi fazer uma troca pelos Imaculados e, apesar de o outro lá ser um besta e a ter insultado porque achava que ela não entendia a língua, a intenção dela já era roubar o exército e matar os mestres... Ela matou todos aqueles que se recusaram a dobrar o joelho... incluindo a família do Sam. E o pior é que ela avisou, nós é que não prestamos atenção!


Além disso ela foi perdendo pessoas que lhe eram importantes e isso fez ela perder-se. Sempre ouvi dizer que "quando perdemos alguém que amamos, perdemos um pouco de nós". Ela perdeu o marido que aprendeu a amar, perdeu o filho, perdeu um dragão, perdeu o Sir Joran, perdeu outro dragão, perdeu a Missandei... Foi traída pelo Jon (que era suposto guardar segredo), traída pelos seus conselheiros e, na cabeça dela, traída pelo povo que ela lutava para libertar, porque ela começa a entender que se eles tivessem escolha, escolheriam o Jon Snow para rei em detrimento dela. Então não digam que foi de repente, porque os sinais estavam lá. 

Isto não quer dizer que eu, pessoalmente, goste do que aconteceu e naquilo que ela se tornou... Muito pelo contrário! Ela era das minhas personagens favoritas! Para mim era um exemplo de mulher guerreira, basta ver de onde ela veio, como tudo começou, ela a ser vendida como uma égua pelo próprio irmão, que abusava física e psicologicamente dela, e até onde ela conseguiu chegar... Mas pronto! Agora acho seriamente que o Jon a vai matar e assim cumprir a profecia, ou então vai ser a Arya... mas isso já são teorias minhas.

E por falar na Arya... aqui sim cagaram na personalidade da personagem! Nunca na vida ela desistiria de ir matar a Cersei, estando tão próxima e só porque o Cão disse que se ela fosse ela ia morrer. Fodasse! Ela lá queria saber disso... Ela vive obcecada com aquela lista à anos e a Cersei sempre esteve no topo e ela fazia questão de dizer que não lhe bastava que ela fosse morte, ela queria mesmo matá-la... Ela faz aquela viagem toda e depois chega lá e "Pois, se calhar tens razão, sou capaz de morrer e tal. Eu matei o Night King e sempre quis matar a Cersei mas... é, se calhar deixa lá!". What? No No Nooooo!!! Esta não é a Arya que conhecemos e recuso-me a aceitar que de acordo com a personalidade dela, seria uma decisão que ela realmente tivesse tomado. Ela foi lá só sujar a roupa e ainda é salva pelo "uber horse", que apareceu sabe-se lá de onde!


E vamos falar na Cersei claro! A sério que acharam que aquilo seria um final digno da personagem? Ela foi a que mais soube jogar àquilo a que chamamos "Game of Thrones". Ela viu os filhos morrer, ela passou por tanto emocionalmente (#shame), ela achou que tinha perdido o Jaime... para no fim morrer a chorar, com uns tijolos em cima. Primeiro que embora qualquer pessoa entrasse em desespero numa situação daquelas, aquelas lágrimas e desabamento emocional não fazem parte do caráter dela. E realmente, o Cão esteve ao lado dela, e ela passa de fininho como quem não quer a coisa e xau, para depois morrer daquela maneira... Que também não percebi a ideia do Cão a deixar passar... Ok que o foco dele era outro, mas tipo, tens a fucking queen aí a passar do teu lado meu filho! 

Eu esperava que a Daenerys aparecesse na torre onde ela estava e lhe dissesse para ela se render, aí ela diria alguma coisa muito foda e bebia do copo de vinho calmamente, aí a Daenerys faria o que sempre faz:

Enfim! É isto! É claro que teve muito mais cenas marcantes durante este episódio, mas o que eu queria realmente era mostrar a minha indignação com o final que deram às personagens femininas e fortes desta série! Não é mimimi e vai para além do feminismo, porque como eu expliquei acima, vai para além disso, vai com o facto de que as últimas escolhas que fizeram não foram condizentes com a sua personalidade ou então não foram mortes dignas.

E vocês o que acharam? Têm opiniões contrárias às minhas? Vamos debater 😃 Vamos aproveitar e criar teorias para o próximo e último episódio!

Dracarys 🔥
Beijinhos

sexta-feira, 10 de maio de 2019

Série A Corte - Sarah J. Maas

Decidi escrever este post num dia em que estava inspirada e escrevi um monte de resenhas. A verdade é que esta tornou-se uma das minhas séries favoritas da vida e era inadmissível ainda não ter falado dela aqui no blog. O meu problema, e vocês sabem porque já vos falei disso, é que quanto mais gosto de um livro mais difícil é para mim descrever aquilo que senti durante a leitura. Apesar de ser mais fácil para mim escrever do que falar, nem assim consigo descrever a 100% as minhas emoções e explicar-vos o que o livro me transmitiu. Mas decidi pelo menos falar da história num post com resenha geral! Já antes fiz outros do género, como por exemplo aqui da Academia de Vampiros, e quero lembrar que poderá conter spoilers. Como vou falar de todos os livros, vou falar abertamente, então se ainda não tiveram o prazer de ler esta história, saiam daqui!
A nossa protagonista é a Feyre, uma rapariga que vive para a família. Desde que a mãe morreu, ela caça para alimentar o seu pai e as suas duas irmãs, que na cabeça deles ainda vivem nos luxos de outrora, quando o pai ainda era rico. Neste mundo, temos os humanos e os feéricos e um dia, enquanto caçava, Feyre mata um lobo feérico despertando a ira de Tamlin. Este é um Grão-Feérico que vive em Prythian (terra dos feéricos para lá da muralha), que como punição leve Feyre para o seu reino.

Eu fiquei completamente rendida a todos os personagens! Adorei o Lucien super sarcástico, vivi para o Tamlin e amei odiar a Amarantha. Ganhei ainda um ódiozinho de estimação pelo Rhysand, sendo que não percebia o que ele fazia para humilhar a Feyre. Mas voltando à Amarantha, uma das melhores vilãs de sempre! Ela era realmente maquiavélica, segura de si, direta e mesmo má. Adorei!
No primeiro livro existe uma analogia com o conto de A Bela e o Monstro, mas a autora tinha algo mais pensado que surpreendeu a todos. Em Corte de Espinhos e Rosas nós somos completamente arrebatados pelo Tamlin, achamos ele um cavalheiro, morremos de amores, apoiamos o casal... ainda mais depois daquele final desorientador mas... era um relacionamento abusivo. A Sarah J. Maas fez de propósito para que não notássemos! E ele estava lá, escondido por camadas do aparente carinho, amor e proteção, mas no segundo volume percebemos o quanto o Tamlin é possessivo, dominador e abusivo.

Isto serve para nos mostrar como é difícil para alguém que está na relação por vezes perceber que está num relacionamento abusivo e, por vezes, até para as pessoas que estão de fora, porque acham que é amor, que a pessoa está apenas a ser super protetora. Isto livro é maravilhoso, mas quando percebemos que nos apaixonamos pelo Tamlin e o tipo de pessoa que ele é, sendo que tudo esteve às claras o tempo todo, é um tiro. Esta mulher é foda!
O segundo livro é a melhor coisa que foi deitada a este mundo! É quando são feitas todas as revelações, quando levamos um tapa e percebemos tudo aquilo que já vinha sendo construído no livro anterior. Capítulo 55 💙 quem leu vai entender! Para quem não sabe, Corte de Névoa e Fúria também tem uma analogia, mas desta vez com o conto de Hades e Perséfone. 

Quem não conhece a história, google it e percebam como é maravilhoso e como a Sarah J. Maas é realmente poderosa e incrível! Este livro fez com que toda a gente se apaixonasse pelo Rhysand e eu não poderia ser diferente. Eu vivo para este homem e, para mim, ninguém poderá representá-lo a não ser o meu Ian Somerhalder.
Mas como se não bastasse, eu acho que ganhei um crush em todas as pessoas maravilhosas daquele grupinho. O Cassian é super engraçado, o Azriel é sexy e a Amren e a Mor são simplesmente a encarnação do girl power. Já para não falar de Velarys, que é o sítio mais lindo de sempre! Muita gente compara-a a Veneza e agora eu quero visitar esta cidade ainda mais.

Mais uma vez, eu já nem sei mais o que dizer. Este segundo livro marcou-me de uma forma insdiscritível, sendo que o capítulo 55 foi para mim uma morte e uma salvação. Eu não sabia que precisava daquele capítulo até já não ser a mesma depois dele. Como tudo se encaixa, como a autora nos mostra que tudo teve uma explicação, um sentido... e é tudo lindo!
No que diz respeito ao terceiro livro, serviu para intensificar ainda mais os meus sentimentos em relação a tudo, desde os lugares ao personagens. O meu coração partiu-se quando o Rhysand morre e voltou a juntar-se quando ele regressa (sendo que, confesso, que já tinha essa teoria, mas doeu na mesma). Fiquei chateada pela história não ter sido fechada em condições, principalmente para os casais como o Cassian e a Nesta. Sei que há spin-offs, mas a menos que eles estejam amanhã aqui na minha mesa, então não me é suficiente.

Tenho uma imensa pena que nenhuma editora tenha pego nesta trilogia, e penso que tenha sido um erro tremendo. Não sei até que ponto lhes compensaria lançar agora, visto que já passou imenso tempo e a maioria das pessoas leu em inglês, mas foi uma oportunidade desperdiçada. Espero um dia ir ao Brasil e poder trazer o box maravilhoso, para reler e marcar todas as citações e partes favoritas 💛

Tenho apenas a dizer-vos que se nunca leram, dêem uma oportunidade e se já conhecem a autora sabem o quanto ela escreve bem. Eu até agora ainda não consegui terminar Trono de Vidro, porque estava à espera que lançassem em Portugal, mas mais uma vez, desistiram após dois livros lançados. Mas eu realmente amo esta autora!

Vocês já leram
Beijinhos